MENU

11/02/2022 às 20h59min - Atualizada em 14/02/2022 às 10h01min

ESPECIAL SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922: REFAZENDO O CENÁRIO

Confira a primeira parte do especial da Rádio Nacional sobre os 100 anos da Semana de Arte Moderna do Brasil. Nessa reportagem, saiba quem financiou as atividades e quais as contradições entre o moderno e a realidade do país naquele momento.

GRUPO EDITORIAL MARICÁ - Rádio Agência Nacional Cultura
Agência Brasil Por Eliane Gonçalves Repórter da Rádio Nacional São Paulo
© Rovena Rosa/Agência Brasil
OUÇA NO PLAYER ABAIXO À REPORTAGEM
 
 
 

Especial 100 anos da Semana de Arte Moderna de 1922

PARTE 1: Refazendo o cenário: São Paulo e a Semana de 22

 

A música “Quarteto Simbólico, impressões da vida mundana”, com a composição de Villa-Lobos, foi apresentada na última noite de espetáculos da Semana de Arte Moderna que ocupou o Theatro Municipal de São Paulo entre os dias 13 e 18 de fevereiro de 1922.
 

A apresentação gerou desconforto e a plateia retribuiu com urros e vaias. O poema de Manuel Bandeira, “Os Sapos”, que ironiza os poetas parnasianos, foi recebido da mesma forma. No saguão do teatro, as telas de Anita Malfatti ou de Di Calvacanti e as esculturas de Victor Brecheret também causavam estranhamento e as polêmicas alimentavam os jornais.
 

A edição de fevereiro de 1922 da revista A Cigarra descreveu o impacto do público: “conta-se que uma senhora, ao visitar as telas expostas, se impressionou, ou melhor, ficou intrigada diante de duas, que não conseguiu absolutamente comprehender”, dizia a revista.

 

O jornal o Estado de São Paulo de 16 de fevereiro criticou a falta de respeito dos modernistas com artistas consagrados: “Espontânea manifestação da galeria ou claque do novo gênero, o certo é que phrases e attitudes menos respeitosas attingiram algumas vezes artistas respeitáveis pelo seu talento”, afirmava o jornal.

 

Para Luiz Armando Bagolin, professor do Instituto de Estudos Brasileiros da USP, a polêmica não era apenas bem-vinda, era uma meta dos organizadores, entre eles, o escritor Mario de Andrade. Segundo o professor, Mario de Andrade afirmou que “os araras morderam a isca”, uma referência aos jornalistas da época. “A semana no momento em que ela aconteceu foi um evento muito bem sucedido do ponto de vista da propaganda de uma estratégia de propaganda”, define Bagolin.

 

Essa espécie de marketing modernista que pregava a ruptura coincide com o momento em que a cidade de São Paulo também passava por transformações. De uma província quase rural, para o que viria a ser um grande centro urbano. Estar na vanguarda das artes combinava com a ideia de modernização.

 

Mas a Semana de Arte Moderna é um movimento também cercado por contradições.

 

Ela foi concebida nas mansões da aristocracia paulistana. Paulo Prado, um dos maiores exportadores de café do país, foi o patrocinador. Para Heloísa Espada, curadora do Instituto Moreira Salles, essa relação entre urbano e rural é reveladora.

 

Heloisa conta que quem financiou as atividades da Semana de Arte Moderna foi a elite cafeeira de São Paulo. “Essa elite ganhou dinheiro no interior, nas fazendas, mas não queria mais viver ali. Queria a possibilidade de viajar para fora do país e quer viver em uma cidade que tem os benefícios da modernidade”, diz a professora.


Ela reforça a importância de se perceber as ambiguidades do movimento modernista no Brasil. “Para algumas pessoas, a modernidade seria - coisa horrível que vou falar - um projeto de branqueamento do país no início do século”, afirma.

 

Essas contradições ajudam a explicar como alguns artistas de 1922 chegaram a trocar a vanguarda pelo reacionarismo, como o escritor Plínio Salgado que pouco tempo depois fundou o Partido Integralista, inspirado no fascismo italiano.

 

*Com sonorização de Messias Melo, locução da leitura dos jornais feita por Nelosn Lin, da Rádio Nacional, e com a colaboração de Elaine Cruz, da Agência Brasil.


Edição: Leila Santos / Guilherme Strozi


Cultura Confira a primeira parte do especial da Rádio Nacional São Paulo 14/02/2022 - 08:00 Leila Santos / Guilherme Strozi Eliane Gonçalves - Repórter da Rádio Nacional Semana de Arte Moderna Semana de 22 100 anos da Semana de Arte Moderna segunda-feira, 14 Fevereiro, 2022 - 08:00 3:53

Fonte: AGÊNCIA BRASIL
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco!
Atendimento do Grupo Editorial Maricá
No que podemos ajudar? Envie sua mensagem, dica de pauta, crítica, sugestão ou denúncia...