MENU

30/11/2020 às 06h20min - Atualizada em 03/12/2020 às 00h14min

NO RIO, 19 PARTIDOS ESTARÃO À FRENTE DE 92 PREFEITURAS

DEM governará quase metade dos 12,4 milhões de eleitores fluminenses

by Editorial Maricá - Exclusiva
Agência O GLOBO
Mapa da apuração do Rio Foto: Globo

RIO - Na contramão da concentração de vitórias vista em eleições passadas, neste ano a pulverização de forças políticas é a tônica do estado do Rio ao fim da apuração das 92 prefeituras. A capilaridade de MDB e PP, que conquistaram quatro a cada dez municípios fluminenses em 2016, deu lugar a um estado dividido entre 19 legendas, o que lança incertezas sobre a formação de palanques para a disputa estadual e nacional de 2022.

Com as vitórias deste domingo no segundo turno no Rio e em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, o DEM governará quase metade dos 12,4 milhões de eleitores fluminenses a partir de 1º de janeiro, despontando assim como o partido de maior influência no estado. O PSC, apesar de sair como o partido com mais prefeituras conquistadas (11), não teve nenhuma vitória nas grandes cidades fluminenses, com mais de 200 mil eleitores. Além de ter visto sua figura de maior projeção, o governador Wilson Witzel, ser afastado do cargo, o PSC pode perder o vice Cláudio Castro, atualmente no exercício do cargo, e que estuda a migração para partidos como o PSL e o próprio DEM.

Apesar da derrota na capital com Marcelo Crivella (Republicanos), o bolsonarismo foi revigorado no segundo turno pela vitória de Capitão Nelson (Avante) em São Gonçalo. No município, que reúne mais de 1 milhão de eleitores, Nelson derrotou Dimas Gadelha (PT) por pouco mais de cinco mil votos, frustrando com isso os planos de formação de um bloco de prefeituras de esquerda na Região Metropolitana, que reuniria também Niterói, Itaboraí e Maricá, cujos prefeitos eleitos se inseriram em alianças entre PT e PDT.

Eduardo Paes:ex-prefeito refaz sua ambição para não repetir história do padrinho Cesar Maia

Cotados ao governo do estado, o pedetista Rodrigo Neves e o petista Washington Quaquá tentavam formar um “consórcio de prefeituras” que impulsionasse um nome da esquerda em 2022. Além do revés em São Gonçalo, Caio Vianna (PDT), aliado de Neves, foi derrotado em Campos, no Norte Fluminense, por Wladimir Garotinho (PSD), filho dos ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho.

Veja: Votação por partidos

— Os partidos de esquerda perderam a chance de formar este “bunker de gestão”, apesar do resultado politicamente expressivo. A vitória em São Gonçalo teve o modo bolsonarista de fazer política, numa campanha marcada pelo ataque à esquerda e ao PT — avaliou o cientista político Josué Medeiros, do Núcleo de Estudos sobre a Democracia Brasileira (Nudeb) da UFRJ.

LEIA NA ÍNTEGRA E FIQUE SABENDO DE MAIS INFORMAÇÕES;
Clique aqui e tenha acesso EXCLUSIVO P/ ASSINANTES!


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco!
Atendimento do Grupo Editorial Maricá
No que podemos ajudar? Envie sua mensagem, dica de pauta, crítica, sugestão ou denúncia...